Tenho recebido alguns pedidos de orientação de tutores de cães dos mais variados cantos do país. Nem sempre posso orientar por aqui, mas existem casos que acabo priorizando. Em face disto, resolvi criar uma sessão aqui no blog que irá se chamar: “Dúvida de Amigo“, que é inspirada na sessão do Blog Mãe de Cachorro, do participo colaboradora fixa.
Para inaugurar esta sessão escolhi a “Dúvida de Amigo” do Nisargan do site Didgeridoo Aumkar. Eu não o conheço pessoalmente, mas já ganhei de presente do meu pai um Didgeridoo do querido Nisargan, e posso recomendar, pois é show!
Abaixo, segue o relato da situação que ele tem vivenciado com a Ananda, uma cadela que sua família adotou já há alguns anos.
“Oi Emmanuelle,
Grato pela disponibilidade.
Não sei o histórico anterior da Ananda, a cadela de rua que pegamos há uns 3 ou 4 anos após uma castração coletiva que aconteceu aqui em São Francisco Xavier. Como não tinha quem fizesse os cuidados pós cirúrgicos, ficamos com ela. Na castração, foi constatado que ela estava grávida, e provavelmente aquela tinha sido a sua primeira gravidez. E ela estava super deprimida, mesmo…
Hoje ela está feliz, à vontade, dando-se muito bem com suas duas companheiras que ela brinca muito, as cadelas Terra e Gaia. Essas duas são amorosas e adoram receber carinho. A Ananda fica só olhando a gente brincar com a Terra e a Gaia, sempre a uma distância que lhe permite fugir sem ser pega, caso a gente se aproxime. Isso acontece com todo o mundo que se aproxima dela, com exceção de crianças. Mas, se a gente está abaixado, ela permite uma aproximação maior. Já conseguimos fazer carinho nela quando estávamos abaixados, e dá para perceber que ela gosta. Mas conseguir isso é raríssimo.
A impressão que dá é que ela tem medo de ser pega. E ela é muito inteligente, e jamais se posiciona de maneira que ela não tenha saída.
Além de não nos dar o prazer de lhe darmos carinho, quando realmente precisamos pegá-la para tratar de berne (moramos em um sítio) e tirar carapatos, demora dias até conseguirmos armar uma emboscada de modo que consigamos pegá-la.
Teve uma vez que ela precisou ficar presa por uns 4 dias, pois estava tomando antibiótico. Como ela sabia que não tinha como escapar, ela aceitava os carinhos e os recebia bem. Achei que ela ia se acostumar, mas foi só soltar para voltar ao mesmo padrão de sempre.
A tratamos muito bem, falamos com ela, mandamos beijinhos, mas ela continua mantendo distância, hoje uma distância menor que antes, mas ainda assim…
O que eu gostaria: que ela deixasse de ter medo de ser maltratada, pois parece que é isso o que ela sente.
Tem alguma coisa que possamos fazer para melhorar isso?
Gratidão e admiração,
Nisargan”
                   Didgeridoo Aumkar
            um instrumento de meditação
                www.didgeridoo.com.br
Resposta: Nisargan, embora eu esteja distante e, por aqui não é possível fazer a leitura da “linguagem corporal” da Ananda, existem algumas dicas que eu posso te passar e que acredito que vá melhorar a relação de vocês, tornando ela mais confiante e criando uma associação positiva ao toque/carinho da família. Segue:

Primeiro, identifique tipos de petiscos que a Ananda goste muito. Por exemplo: cubinhos de frango, tirinhas de fígado, bolacha integral, pedaços de pão de queijo, bifinhos específicos para cães…
O importante é que seja algo que a Ananda goste muito!
Sugiro o seguinte exercício:
Pegue alguns pedaços do “petisco eleito” e sente-se no chão, de lado para a Ananda. Não olhe diretamente nos olhos dela, e mantenha o olhar direcionado para baixo. Chame a Ananda e estique o braço com o pedaço da guloseima na palma da mão aberta. Deixe que ela se aproxime, que coma, e saia livremente.
Depois, repita o exercício por mais algumas vezes, em média 5, ou enquanto ela manter interesse na comida.
Comece a praticar este exercício todos os dias. Treine enquanto existir interesse da Ananda em comer os petiscos. 
Jamais vá em direção a ela! Deixe que ela se aproxime, e que afaste quando bem desejar.
Caso, no início, ela tenha receio de ir até a sua mão pegar a comida, poderá jogar os pedaços próximo a você e permanecer como na orientação acima.
A idéia é que ela crie uma associação positiva com a sua proximidade e que não se sinta intimidada ou ameaçada a ser pega.
Com o tempo ela irá se aproximar mais, gradualmente.
Deixo aqui um link para o Blog Mãe de Cachorro, onde respondia dúvida de uma leitor e que, embora não seja o mesmo caso, poderá complementar a explicação e entendimento do caso. 
Bons treinos e aguardo um retorno aqui no post.
Amor e Luz! 

11 Comentários

  • Anônimo
    Posted 3 de setembro de 2011 13:13 0Likes

    Oi Emmanuelle,

    Valeu mesmo, pelas dicas e pela divulgação!

    Preciso ainda descobrir um petisco que a Ananda goste, pois não dou comidas de origem animal às minhas cadelas (ração FriDog Vegetariana, que vou buscar na fábrica de Lavras a um bom preço, mais arroz integral/carne de soja/beterraba/cenoura cozidos). Vou experimentar algumas coisas e seguirei as suas dicas. Depois te conto.

    Não sabia que você tinha um de nossos Didgeridoos.
    Pesquisei em meus arquivos e me dei conta que em seu didge uma das palavras é Ananda, o nome da minha cadela precavida.

    Em sua última mensagem a mim pós recebimento do didge, você escreveu: "não sei se a palavra certa é tocar, mas toquei já… a minha maneira…"

    Espero que tenha havido alguma evolução e que você pelo menos de vez em quando curta tocar o seu Didgeridoo!

    Espero um dia conhecê-la pessoalmente.

    Gratidão e admiração,

    Nisargan

  • Anônimo
    Posted 4 de setembro de 2011 13:13 0Likes

    Oi Emmanuelle,

    Não havia colocado o comentário em seu blog pois estava assinalado "Conta do Google", e nesse caso, para ser postado me pareceu que eu precisaria abrir uma conta no Blogger, o que eu não quero no momento. Mas enviei agora o comentário como "Anônimo", só que achei que não tinha ido e enviei novamente como "Nome". Então, se você receber dois comentários idênticos, não estranhe. Ainda não tenho experiência com essas coisas…

    Fico então aguardando no blog o complemento sobre os petiscos.

    Gratidão,

    Nisargan

  • Anônimo
    Posted 4 de setembro de 2011 13:13 0Likes

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

  • Anônimo
    Posted 4 de setembro de 2011 13:14 0Likes

    Hoje tentei amendoim torrado para ver se a Ananda se empolgava, mas nada, só cheirou…
    Nisargan

  • Nisargan
    Posted 4 de setembro de 2011 13:14 0Likes

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

  • Emmanuelle Moraes
    Posted 4 de setembro de 2011 13:26 0Likes

    Nisargan,

    Compreendo sua opção vegetariana, já imaginava isto mesmo. Sou alguém a trilhar este caminho, porém ainda muito para evoluir até chegar como tu. Mas, vale ressaltar aqui, que a Ananda é um Canídeo e como tal, tem por preferência alimentar a carne. Em um trabalho de "dessensibilização" como o sugerido no post por mim, é FUNDAMENTAL que seja usado algo que o cão goste MUITO, pois do contrário, ela não vai se sujeitar a superar um medo para obter uma recompensa, se esta não for proporcionalmente valiosa. Compreendeu? Como você mesmo observou, as opções que você tentou não tiveram êxito pois não são suficientes para tanto. Desta forma, sugiro que abra uma exceção e opte por algumas das sugestões que lhe ofereci. Mesmo assim, dentro delas, ainda terá que ver qual é eleita pela sua menina. Os bifinho em forma de tirinha da marca pedegree, keldog,Doguitos, costumam ter bons resultados e serem menos "traumáticos" para a pessoa manusear, embora existam casos de cães que não respondem bem a eles. Faça uma experiência com o produto acima citado e me conte como foi. Caso reste alguma dúvida, ou queira ponderar algo, fica aqui aberto ao diálogo.
    Sobre o meu didgeridoo, fiquei muito surpresa quando disse que continha a palavra Ananda, isto se mostra incrivelmente providenciado pelo Universo e eu fico Grata e poder ajudar de alguma forma. Tive sim uma evolução com ele, a minha maneira, mas um dia ao manuseá-lo bati na borda do teto da varanda e ele rachou. 🙁
    Atenciosamente,

  • Nisargan
    Posted 4 de setembro de 2011 14:32 0Likes

    Oi Emmanuelle,
    Suponho que a maioria das pessoas possa achar esta minha resposta radical, mas realmente meu amor e compaixão para todo o reino animal não me permitem abrir exceções, sendo conivente com a matança de uns para favorecimento de outros, especialmente por saber que os Canídeos, embora tenham preferência alimentar por carne, podem viver perfeita e saudavelmente sem ela.
    Melhor então deixar como está; eu gosto e aceito a Ananda assim como ela é, e ela parece estar perfeitamente adaptada à sua maneira de ser. Sim, seria melhor dissolver o seu trauma, mas não a esse custo para a minha consciência.
    Valeu pela sua atenção e boa vontade!!!
    Gratidão e admiração,
    Nisargan

  • Emmanuelle Moraes
    Posted 4 de setembro de 2011 14:35 0Likes

    Eu não acho radical!! Compreendo e aceito perfeitamente! Continue tentando outras coisas, quem sabe sua menina se encanta por outro "petisco". Pão de queijo tbém costuma ter bons resultados, mas creio que tu seja Vegano…
    Vibrações e admiração ainda maior! Luz e Amor!

  • Anônimo
    Posted 5 de setembro de 2011 22:40 0Likes

    Oi Emmanuelle,

    Fico feliz com a sua compreensão!

    Minha admiração também fica maior!

    Se eu descobrir algum petisco te falo!

    Ah, sim, sou um feliz vegano.

    Abraçoo)))

    Nisargan

  • Emmanuelle Moraes
    Posted 13 de setembro de 2011 11:55 0Likes

    Nisargan,
    de qualquer maneira, mesmo que não utilize os "petiscos" que recomendei, ainda vale manter a "linguagem corporal" para aproximar-se de Ananda ou para deixar que ela o faça!!
    Luz e Amor!

  • Nisargan
    Posted 8 de outubro de 2011 12:23 0Likes

    Sim, consigo fazer carinho na Ananda às vezes, quando estou abaixado. Aí ela gosta e pede mais! Mas se eu levanto, ela sai do alcance…

Deixe um comentário

Subscribe to our creative news & articles We will be emailing you the updates.
Inscreva-se.


pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese