9 de abr de 2016

O uso de Kong com cães que apresentam medo, reatividade ou agressividade

O meu amigo Kong: por Emmanuelle Moraes



Tenho utilizado a ferramenta Kong (no modelo original) para os mais variados tipos de manejo comportamental, além do já muito divulgado enriquecimento ambiental.

Com cães que possuem comportamentos reativos, medrosos e ou agressivos, o trabalho é bastante facilitado, e faz parte dos meus protocolos. Uma vez que o ensine a utiliza-lo para se alimentar, "abraçando" o desafio da obtenção da comida, é possível transferir o uso para as mais variadas situações das quais almeja treinar o seu cão.

Como quase tudo, os treinos iniciam em casa. Passado isto, leva-se para as situações externas ou as que necessitam trabalhar, sempre gradualmente e em doses homeopáticas. 

Lembre-se que a ideia é fazer o cão passar por aquilo com sucesso e não a ter a reação da qual se pretende trabalhar. E a "dose" é sempre algo muito, muito importante!

No caso dos cães da minha aluna Raísa (Princesa Zelda, Hadouken e Pê), entre outras tantas situações em que os Kongs foram utilizados, a habituação aos banhos no Pet Shop foi mais uma das quais fizeram parte e ajudaram na obtenção sucesso.

Os dois irmãos (Douken, o cão preto, e a Pê, a cadela marron) eram cães que apresentavam bastante medo e por isso reagiam a variados estímulos que incluem: desde cães, pessoas, procedimentos e ambientes diversos. E já há algum tempo começamos a modelagem comportamental deles, iniciando desde a educação a nível de obediência, comunicação entre os cães e os tutores, até a socialização deles.

E para tudo isto, a utilização do Kong como uma ferramenta de relaxamento e geradora de associações positivas aos estímulos variados foi sempre integrada aos nossos treinos. 









Acompanhe as aventuras desse trio através do insta deles: princesa_zelda :)
Postar um comentário