1 de nov de 2015

Incompreensão de tutores com o manejo adequado em grupos de cães


Noto que tenho desagradado algumas pessoas ultimamente. Sim, foi isto mesmo que vocês entenderam. Este não é um texto para auto-promoção. É um texto real do meu Blog, onde posso passar minhas experiências e opiniões, e esta é a melhor parte.

Depois que comecei a executar funções de coordenadora em Day Care e em Hotel, foi notório que algumas pessoas ficaram contrariadas por terem perdido algumas das liberdades que antes possuíam em tais ambientes. Tiveram dificuldades em entender que o manejo adequado ao comportamento da espécie para a qual me dedico é um tanto distinto do que pensavam ser o ideal.

Tenho pra mim que esta incompreensão é fruto da explícita falta de conhecimento acerca dos comportamentos e necessidades que os cães possuem. Não me deixa intrigada essa reação, pelo contrário. Primeiro porque foi uma parcela mínima, e certamente também se tratavam de pessoas com uma "certa" dificuldade em ter disciplina. E segundo porque trabalhando com tutores de cães há 12 anos é muito comum tais comportamentos: incompreensão e descomprometimento.

Um dos maiores problemas que o universo canino enfrenta atualmente é a humanização. E decorrente dela vem a latente dificuldade em "entender" o óbvio: cães não agem e nem pensam como nós.

Imaginem as situações pois estamos falando de grupos de cães. Em maioria, os tutores de cães apresentam dificuldades em direcionar os comportamentos de seus animais de estimação em casa, mas quando a situação se passa na presença de outros da mesma espécie (refiro-me a do cão) é ainda pior.

Foram e estão sendo criadas algumas regras no manejo do grupo para evitar comportamentos negativos, entre eles brigas. São situações simples pelo ponto de vista de um profissional mas tem sido necessário quase que "desenhar".

Outro ponto que percebo e que é "gritante" trata-se da diferença em ter que lidar com os tutores que já são e ou foram alunos de educação canina e agora fazem uso dos serviços de recreação e hospedagem, para aqueles que nunca passaram por orientação de um profissional adequado, ou mesmo de qualquer que seja.

Eu sei que é mais fácil punir do que ensinar. E seguir pela linha em que se acredita convictamente que é a correta nunca foi simples. É importante ter experiência e ser seguro de nossos pontos de vista ao argumentar com os "pais dos peludos", mas sigo segura, como de costume.

É preciso aprender sobre a espécie que escolheram conviver.
Pensem nisso!

por Emmanuelle Moraes
Postar um comentário