4 de ago de 2015

A solução está na posse responsável e na educação dos tutores



Em uma nação onde a carência de educação é uma realidade, normas proibitivas se fazem necessárias, infelizmente.
Sou muito à favor de que cães possam frequentar os mais variados ambientes, entre eles as praias. Isto não é nenhuma novidade, e quem conhece o meu trabalho conhece também o meu life style.
Mas sou honesta em afirmar que poucos são os tutores de cães preparados para levarem os seus em ambientes públicos. 

"A educação de um cão começa na educação do seu tutor."

Na prática, o que observo são pessoas sem educação que levam cães em praias sem ao menos carregar junto um saquinho (porta cáca) para recolherem possíveis fezes que o animal possa gerar. Mas, a falta de responsabilidade vai um pouco mais longe, faltam guias também!

É cômodo abrir a porta do carro e deixar o cão sair correndo direto para a areia, sem antes levá-lo ao "banheiro" (procedimento que deveria ser regra), e tê-lo preso a uma guia longa com saquinhos para recolher dejetos sempre à mãos. São esses mesmos "cidadãos" que complicam a vida de quem anda na linha, e faz todo o processo com responsabilidade. Basta que um "sujeito" desses suje a praia para que o acesso geral seja restrito, pagando a "conta" o cidadão educado e responsável.

"A culpa é sempre do humano envolvido" (mãe de cachorro)

O mesmo acontece nas praças, parques e até mesmo ruas das cidades. O problema é complexo pois decorre da falta de educação do nosso país. Mas, espera ai! Infelizmente, ainda tem mais!

A situação se torna muito, mas muito mais séria, quando me deparo com um "Pit Boy" esbanjando arrogância ao desfilar com um Pit Bull (enorme), soltoe descontrolado, sem guia ou coleira (e obviamente, sem nenhum saquinho para recolher qualquer sujeira), na praia em plena manhã. 

O cão foi solto e andou livremente, correndo de um lado para o outro, sem a menor segurança e ou controle do "responsável". A postura do "sujeito" era de quem sabia que "com o dele ninguém aguentaria se meter.

É por causa de pessoas como esse indivíduo que acidentes acontecem e a raça é envolvida nas piores confusões imagináveis. Por sorte eu não estava com os meus cães naquele momento, e nem quero pensar no que poderia ter acontecido pois, como educadora de cães eu sei bem todos as possibilidades de acidentes que poderiam acontecer.

Eu almejo por uma legislação que responsabilize devidamente pessoas que submetem outras pessoas e animais a sofrerem qualquer malefício, mas quando penso que estamos em um país onde a corrupção e a impunidade impera, sei que a situação é mesmo séria.

"O acesso de cães em ambientes públicos requer dois critérios: educação e sociabilidade."

Soltar um Pit Bull na praia é um ato não apenas irresponsável como também pode ser criminoso. E não se trata de preconceito com a raça, pois tive o meu até o ano passado, convivendo com ele por quase 12 anos. Mas sabemos que os cães no Brasil estão longe de serem modelo de educação e socialização. Trabalhando há 11 anos com cães de todas as regiões do país, posso afirmar que as chances daquele cão ferir ou matar outro qualquer que viesse encontrar eram muito altas, chegando a 90%, SIM! 
Então, meu amigo, eu não quero "pagar pra ver"! E até que se prove o contrário, esses cães devem estar devidamente presos a uma guia.

O texto acima pode ser polêmico, mas precisamos tratar da realidade e melhorar a situação das cidades e locais onde vivemos. Todos os cães, independente da raça, podem ser sociáveis e exemplos de educação, mas isto depende, primeiramente, da responsabilidade e educação dos tutores.

O que vocês pensam sobre tudo isso?

por Emmanuelle Moraes




Postar um comentário