21 de jul de 2013

Como escolher o petisco correto


Ao longo de mais de 11 anos de profissão sempre me deparo com a mesma confusão e, até resistência por parte dos tutores de cães na hora da escolha do tipo petisco que deverão utilizar no treinamento.

“A utilização da comida no treino de cães facilita todo o processo de ensino e manejo comportamental tornando o aprendizado mais rápido e prazeroso para o cão.”

Descobrir guloseimas das quais o cão goste é uma tarefa fundamental para as pessoas que pretendem inciar o processo de educação canina dos seus cães.

Se não conseguir identificar a “moeda de troca” que será válida para o cachorro, o processo ficará comprometido e as chances de sucesso restarão prejudicadas.

Algumas informações valiosas poderão ajudá-los na identificação das guloseimas mas, antes de tudo, é fundamental que  eles não estejam com a “barriga cheia”  na hora dos treinos.

Definir os horários das refeições é o primeiro passo. Não deixe comida à vontade! Não desperdice essa maravilhosa ferramenta em vão. Usar o alimento para treinar o seu cão é uma formidável oportunidade de estimulá-lo mentalmente, ensinar coisas novas ou reforçar comportamentos desejados.

Você também possui as suas preferências na alimentação, não é?

Alguns cães são famintos (não são os mais comuns)  e  podem ser treinados com a própria ração. Eu mesma tenho uma assim em casa, a Tequila. Dentro do ambiente do cão, a casa, usar a ração para treinar pode resultar, porém, em um ambiente novo, cheio de estímulos e com outros cães se faz necessário o uso de petiscos com maior palatabilidade.

Na hora do treino é importante que tenham mais de um tipo de petisco à disposição. Para cada situação existe uma “moeda de troca” que será mais eficiente.

Se o cachorro não está interessado na comida que está oferecendo é por que ela não é valorizada por ele diante da situação em que se encontra. Cubinhos de frango, tirinhas de fígado (feito apenas em água, e secos), bifinhos de carne industrializados, salsichas de frango ou comum, são exemplos de opções de guloseimas que podem ser utilizadas como "moeda de troca" na hora do treino.

Em um passeio por um bosque onde existem estímulos infindáveis aliados a liberdade, por exemplo, voltar por um pedaço de bifinho quando chamado  pode não ser interessante. Mas um pedaço de frango ou tirinhas de fígado podem fazer valer a pena o cão parar de farejar um rastro e voltar até você.

Descubra vários tipos de petiscos que o seu cão goste MUITO e organize em ordem crescente. Saiba qual tem valor “Prata” e qual valor “Ouro”, por exemplo.

A partir daí  faça testes em diversas situações para descobrir que tipos de guloseimas deve usar em quais situações, exemplo: próximo a outros cães, em ambiente externo, em parques, próximo a trânsito intenso ou multidão de pessoas, na hora do passeio etc.

Este é o passo inicial no treino de cães e,  a partir daí, poderá começar a treinar o seu cachorro.

Lembre-se que usar um petisco que não tenha valor suficiente para o seu cão compromete o processo de ensino.

Assista aqui o vídeo onde Dr. Ian Dunbar - Veterinário especialista em comportamento canino e treinador de cães, referência mundial no manejo comportamental de cães (com o qual estive por 03 dias em um inesquecível seminário que ele ministrou em Lisboa\2012) explica sobre a utilização de comida no treino de cães.

Bons treinos!


Postar um comentário