24 de ago de 2010

Pets Shops do BEM - da água para o vinho!




"Comerciantes de São Paulo deixam de vender animais, promovem a adoção e aumentam o faturamento!"


Recebi um e-mail falando dessa iniciativa MA-RA-VI-LHO-SA, e resolvi postar aqui para incentivar que mais Pet Shops passem a deixar de vender VIDAS e comecem a incentivar a ADOÇÃO DE ANIMAIS ABANDONADOS.




ADOÇÃO
Pet shops do bem
Comerciantes de São Paulo deixam de vender animais, promovem a adoção e aumentam o faturamento!
O drama da venda de filhotes e suas graves conseqüências já foi abordado no  Notícias da ARCA pela série de reportagens “Filhotes S.A.” (confira). Entre os desdobramentos da movimentação iniciada pela ARCA Brasil está a criação de uma lei que obriga que o animal vendido seja castrado. Embora pouco efetiva pela falta de fiscalização, a legislação é um documento de cobrança na mão das protetoras de animais e, graças à insistência delas, um cenário que parecia estático, pode começar a mudar.
Há seis anos Carlos Barreto deixou o mercado financeiro e montou o pet shop Mercearia do Animal no bairro de Pinheiros, em São Paulo. Nesse meio tempo – muitas vezes atendendo ao apelo de crianças que pediam um mascote aos pais – vendeu em média 12 filhotes por mês. Desde janeiro de 2009, no entanto, Barreto decidiu dar uma reviravolta: parou de vender bichos e passou a promover uma ferinha de adoções de animais carentes. E percebeu que o negócio valia à pena.
Da água para o vinhoO motivo da mudança de filosofia tem nome e endereço. Tudo começou quando a protetora de animais independente Izolina Ribeiro se mudou para a região. “Comecei a freqüentar o pet shop para comprar a ração dos meus gatos e reparei que vendiam filhotes irregularmente. Toda vez que ia lá, falava na lei que regula o comércio, levava materiais, etc.. quando notei um painel com anúncios de protetores doando bichos, percebi que nem tudo estava perdido”, ela conta.
Carlos, por seu lado, já abria seus olhos para o problema do abandono. “Andando pela periferia de São Paulo e no litoral sempre percebi a quantidade de animais abandonados nas ruas. Aos poucos conheci o trabalho realizado por protetores e percebi que o problema era bem maior do que pensava”, revela o empresário. De acordo com ele, a venda de filhotes representava um percentual pequeno do faturamento de suas duas lojas (a segunda fica no Jardim Europa).
Foi depois de uma conversa mais séria entre Izolina e o dono da loja que a transformação aconteceu. Logo após reparar que a vitrine onde ficavam os filhotes estava ocupada só com caminhas e acessórios, chegou a boa notícia: “Isabel Carballo, uma protetora independente, me disse que ia começar a doar seus animais lá e que a Gazeta de Pinheiros iria apoiar a iniciativa”, relembra.
“Marketing do Bem” - Um ótimo negócio para todosO Pet Smart, maior rede de pet shops do mundo, não vende cães e gatos e já promoveu mais de quatro milhões de adoções. As lojas têm espaços especiais para adoção de animais de entidades ligadas à Humane Society of United States (HSUS). “Cada vez mais os donos de clinicas e pet Shops se solidarizam com o trabalho das protetoras e com o problema do abandono. Os bichos doados trazem novos clientes e o prestigio de um lugar que realiza uma função social. Todos saem ganhando: A loja, nós os protetores, que temos um lugar para doar os animais resgatados e, claro, a bicharada!”, comemora Isabel Carballo, designer gráfica, protetora independente e uma das organizadoras da feira em pinheiros.
Carlos, o dono do pet shop, também está feliz com a mudança. “As feiras de adoção atraem pessoas para a loja, mas esse não é o objetivo e sim estimular a adoção consciente. Fico muito gratificado e ressalto o maravilhoso trabalho realizado pelas protetoras e ongs. Sem eles nada disso seria possível”, completa. Já Izolina, enfatiza o ineditismo da atitude, para ela um grande exemplo: “A feira ainda é recente, mas deve ser incrementada ao longo desse ano porque o local é ótimo. Para todos nós é um tremendo caso de sucesso que muitos pet shops poderiam copiar. É um excelente modelo de marketing do bem.”, diz.
No mesmo caminho, a administradora de empresas Andréia D’Oliveira, do grupo Adote um Focinho Carente desde novembro mudou o jeito de pensar de dois pet shops na zona norte de São Paulo, o Consulado da Ração (que antes comercializava bichos) e o Praticão.  “Usei a cara e coragem e fui pedir o espaço para fazer a feira de adoção. Eles nunca haviam feito e disseram que poderíamos tentar. Montamos tudo, grades, tenda e ao término, deixamos tudo limpinho. Eles gostaram porque as pessoas que adotam, entram no pet e compram o enxoval, gerando vendas”, ela conta.
Postar um comentário